Quinta do Medronheiro Branco 2015 Um local especial -
vinhos online
2365
post-template-default,single,single-post,postid-2365,single-format-standard,theme-bridge,bridge-core-2.2.2,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-20.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.1,vc_responsive
 
quinta do medronheiro

As videiras passaram todo o Inverno retorcidas e ásperas a fingir de mortas, mas começaram agora a cobrir-se de vides frescas como água dos ribeiros. As carreiras de cepas ficam cada dia mais verdejantes e há, na erva alta que cresce entre elas, milhares de pequenas flores do prado: dentes de leão amarelos com um coração coruscante de branco, extensões imensas de margaridas como neve de Primavera sobre a erva.”

Paulo Varela Gomes in “Ouro e Cinza”, Edições Tinta da China

Na Quinta do Medronheiro, a pouquíssimos quilómetros de Viseu, é o ambiente bucólico que nos encanta. Como se o tempo tivesse parado algures em meados do século passado para preservar estes 37 hectares dos malefícios de um progresso desenfreado.

A antiga exploração agrícola e pecuária perdeu o fulgor de outrora, mas nem isso transparece ao percorrermos vagarosamente os caminhos graníticos que envolvem o casario tipicamente beirão. Da vinha, no topo da Quinta, virada ao sol matinal da Estrela e irrepreensivelmente cuidada, avista-se uma mata de carvalhos despidos de folhas, onde despontam, aqui e além, pequenos rebentos que indiciam a aproximação da Primavera; num manto verde junto ao rio que corre ao fundo, umas vacas indolentes vão ruminando indiferentes aos nossos olhares curiosos, abanando a cabeça de tempos a tempos para afugentar um ou outro passarito; ao lado, mas devidamente separados das arouquesas não vá a indiferença ao que as rodeia ser apenas aparente, dois cavalos troteiam lado a lado em direcção ao rio; mais abaixo, junto a uma queda de água, um velho moinho de pedra meio encoberto pelo arvoredo serve de poiso a um guarda-rios de asas azuis e dorso alaranjado.

Há por aqui uma tranquilidade que nos remete para o vagaroso tempo da infância em que tudo nos era familiar: o granito das casas, o cheiro à terra acabada de fresar, o mugido das vacas, o repicar do sino na aldeia mais próxima, o marulhar das águas no ribeiro.

E é esse aconchego caseiro que faz da Quinta do Medronheiro um local especial.

O Hotel rural que domina a propriedade onde também se produz um belíssimo vinho do Dão, resultou de profundas obras de reabilitação, após a aquisição, em 2001, pela família Oliveira, que culminaram num equilibrado conjunto arquitectónico, onde perpassa o cuidado pela preservação da traça beirã.

Em cada um dos 16 quartos disponíveis no Hotel, sobressai o contraste entre a rusticidade do granito e da madeira com o design do mobiliário que, resulta de forma equilibrada e aconchegante. Os espaços sociais, cuidadosamente decorados de forma a criar pequenos recantos, remetem-nos para a casa dos avós, onde tudo era meticulosamente organizado, mantendo, no entanto, a acolhedora sensação de uma casa com alma.

Da cozinha, a cargo do Chef ucraniano Volodymyr, chegam aromas antigos de estrugidos parcimoniosamente apurados em lume brando impelindo-nos a experimentar o resultado do laborioso trabalho do Enólogo Hugo Chaves que, nos três hectares de vinha protegidos pelas Serras da Estrela, Caramulo, Nave e Buçaco, conseguiu produzir um vinho do Dão de elevadíssima qualidade. O Oloroso, assim se chama o tinto da Quinta do Medronheiro em homenagem a um dos cavalos da casa, é um vinho de aroma intenso e taninos nobres, suscetíveis de longo envelhecimento. Produzido a partir das tradicionais castas do Dão, de onde sobressaem a Touriga Nacional e o Jaen, este Oloroso é um vinho gastronómico, que pede o acompanhamento dos pratos tradicionais da região.

Aproveitando a recuperação da casa destinada à adega, onde se realizam provas de vinhos, os proprietários decidiram, em boa hora, fazer uma sala de eventos envolta pela vinha e por um pequeno jardim botânico de onde sobressaem os medronheiros que dão nome à Quinta.

Na Quinta do Medronheiro, tudo foi pensado ao pormenor sem parecer exagerado ou desenquadrado da beleza campestre que o rodeia. E é esse respeito pelas origens, essa autenticidade, aliados à ancestral hospitalidade beirã que fazem deste hotel rural uma extensão de nossa casa.

 

In Bica 2017



Open chat
Podemos ajudar?

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close