fbpx
VIAGENS À VOLTA DO VINHO – DOURO E O PORTO - WINEBOX4YOU
2100
post-template-default,single,single-post,postid-2100,single-format-standard,theme-bridge,bridge-core-2.2.2,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-20.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.6.0,vc_responsive
 

O Douro é a mais antiga Demarcação Vinícola do mundo. Datada de 1756, foi criada no reinado de D. José I pelo seu ministro Marquês de Pombal.

Está implementada no vale do rio Douro e seus afluentes e limitada a oeste por Mesão frio e a Este por Freixo de Espada à Cinta e Espanha.

A Região do Douro é reconhecida pela UNESCO como “Património da Humanidade” desde 2001. Esta região extremamente bela e agreste, oferece condições excelentes para o cultivo da vinha, que se traduzem e expressam nos seus vinhos fabulosos (mundialmente conhecidos e apreciados como dos melhores do mundo), devido à sua complexidade, estrutura e subtileza, provenientes de todos os factores únicos da região.

Desde logo, o ser humano, que a par com as condições de solo e clima fazem desta uma região ímpar, a única aonde considero que o homem faz parte do” terroir”. Foram as gentes do Douro, em gerações sucessivas de avós, filhos e netos, que fizeram o Douro (que amaciaram a rudeza do relevo, que tornaram possível a cultura da vinha numa zona tão peculiar e única, mas também tão difícil de cultivar, tão extrema nos elementos, no clima, no relevo, na dureza), visível nos milhares de socalcos, essencialmente compostos por xisto e nos milhares de quilómetros de muros de sustentação, que resultaram na criação de uma paisagem de beleza única. Conheço todas as regiões do país relativamente bem e só aqui se sente esta quase-fusão do homem com a terra, que vem da cumplicidade e do esforço exercido durante gerações neste Douro, que as gentes que o construíram, consideram seu.

Muito montanhosa, a região encontra-se protegida da influência atlântica pela Serra do Marão. O clima é seco, com invernos frios e verões muito quentes, o que aliado às características do solo (principalmente xistoso) e à sua topografia, atribui características que favorecem a longevidade dos seus vinhedos, assim como enriquecem e condensam os mostos em cor e açúcar que, por sua vez, irão resultar em vinhos concentrados, densos de cor e volumosos no palato.

É no Douro que se produz o famoso Vinho do Porto que durante muito tempo foi o único valorizado. A denominação de “Vinho do Porto” é explicada pelo facto do vinho ser armazenado e comercializado a partir do porto situado entre as cidades do Porto e Vila Nova de Gaia. O vinho descia o rio Douro nos característicos barcos Rabelos e envelhecia nos armazéns de Vila Nova de Gaia, já que esta zona apresentava poucas variações de temperatura durante o ano. O vinho base para o Vinho do Porto, é feito e fortificado nas adegas do Vale do Douro e posteriormente envelhecido na Região ou em Gaia, nas instalações das grandes caves, dando origem a vários estilos, desde Branco Jovem e frutado, Tawny e Ruby, tendo o seu expoente máximo nos Vintage, provenientes de uma só colheita de anos excepcionais em qualidade, com grande potencial de guarda em garrafa.

Nas últimas décadas, notou-se, com toda a justiça, uma valorização merecida dos vinhos de mesa produzidos no Douro, tendo ganho grande notoriedade a nível mundial, devido às suas características de excelência.

A Região estende-se pela bacia hidrográfica do rio Douro e seus afluentes, com uma área vitícola que ocupa mais de 46 000 hectares e divide-se em 3 sub-regiões distintas, devido a factores climáticos e socioeconómicos:

O Douro Superior (que se estende desde a fronteira de Portugal com Espanha), passando pelo Alto Corgo (que é coração do Douro, onde nascem muitos dos vinhos do segmento superior), até cerca de noventa quilómetros de distância da cidade do Porto, o Baixo Corgo.

 

Sub-região do Baixo Corgo

O Baixo-Corgo cobre toda a margem do Rio Douro, desde Barqueiros até Oeste do Rio Corgo (Régua). Abrange os concelhos de Vila Real, Santa Marta de Penaguião, Mesão Frio, Peso da Régua, Armamar e Lamego.

Esta é a região com menor território, mas com maior percentagem na ocupação de vinhas plantadas. Tem uma elevada produção de vinhos do Porto, sendo o berço da viticultura na região do Douro. No entanto, também se tem vindo a revelar excelente na produção de vinhos de mesa. Os vinhos aqui produzidos, são geralmente mais jovens, frescos e apresentam um carácter frutado, devido ao seu clima, mais ameno e chuvoso que nas restantes sub-regiões. É também a zona mais fértil e com maior rendimento das vinhas.

 

Sub-região do Cima Corgo

O Cima Corgo apoia-se no Baixo Corgo, pros- seguindo para Este até ao Cachão da Valeira. Abrange os concelhos de Tabuaço, Sabrosa,

Alijó, Murça e São João da Pesqueira.

A paisagem desta sub-região é totalmente distinta das restantes. As encostas formam um relevo acidentado e os vales dos rios constituem formações geológicas à base de xisto, sendo o solo mais agreste.

O clima é mais seco e os rendimentos são baixos. O Cima Corgo contém a maior concentração de vinhas históricas de alta qualidade.

Existe pouca incidência de chuvas, o que leva a que os vinhos sejam mais concentrados, com um maior potencial para o envelhecimento. Aqui se encontram localizados os principais produtores de Vinho do Porto.

 

Sub-região do Douro Superior

O Douro Superior apoia-se no Cima Corgo e vai até à fronteira espanhola. Abrange os concelhos de Vila Flor, Carrazeda de Ansiães, Torre de Moncorvo, Freixo de Espada à Cinta, Vila Nova de Foz Côa, Mêda e Figueira de Castelo Rodrigo.

É a maior de todas as sub-regiões e também a que tem o clima mais quente e seco. O seu relevo é menos acidentado, constituindo inclinações mais suaves, tornando mais fácil a mecanização. Devido à reduzida precipitação, as vinhas produzem menos, no entanto, dão origem a alguns dos melhores Vinhos do Porto Vintage.

Devido à sua posição geográfica comparativamente às restantes sub-regiões, está mais isolada, tirando partido de uma menor intervenção humana, mantendo a sua paisagem e biodiversidade melhor preservadas.

Esta sub-região era conhecida como o “Novo Douro”, pois a viticultura só se veio a desenvolver em grande escala a partir de 1791, quando as rochas que obstruíam o Cachão da Valeira foram retiradas e o rio ficou aberto à navegação.

As castas cultivadas na região, algumas provenientes da idade media, são célebres pela sua história secular. As melhores castas para a produção de vinho do Douro e Porto são: a Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Barroca, Aragonez (Tinta Roriz) e Tinto Cão. Existem também outras muito importantes e com bastante expressão na região, como por exemplo, as castas Tinta Amarela (Trincadeira) e Souzão. A produção de vinhos brancos é essencialmente sustentada pela plantação de castas como a Malvasia Fina, Gouveio, Rabigato e Viosinho. Para a produção de Moscatel, planta-se a casta Moscatel Galego.

 

Castas

Tintas

Touriga Nacional

No passado, chegou a dominar a região do Dão, tendo sido igualmente relevante no Douro, antes da invasão da filoxera, sabendo-se que hoje ambas as regiões reclamam sua paternidade. É uma casta nobre e muito apreciada em Portugal. A pele grossa, rica em matéria corante, ajuda a obter cores intensas e profundas. A abundância dos aromas primários é uma das imagens de marca da casta, apresentando-se simultaneamente floral e frutada, sempre intensa e explosiva. Pouco produtiva, é capaz de produzir vinhos equilibrados, com boas graduações alcoólicas e excelente capacidade de envelhecimento.

Aragonez (Tinta Roriz)

É a casta ibérica por excelência, uma das raras variedades a ser valorizada dos dois lados da fronteira, convivendo em Portugal sob dois apelidos: Aragonês e Tinta Roriz É uma casta precoce, muito vigorosa e produtiva, facilmente adaptável a diferentes climas e solo. Se o vigor for controlado, oferece vinhos que concertam elegância e robustez, fruta farta e especiarias, num registo profundo e vivo. Prefere climas quentes e secos, temperados por solos arenosos ou argilo-calcários. É tendencialmente uma casta de lote, beneficiando recorrentemente da companhia de outras castas.

Touriga Franca

É a casta ibérica por excelência, uma das raras variedades a ser valorizada dos dois lados da fronteira, convivendo em Portugal sob dois apelidos: Aragonês e Tinta Roriz É uma casta precoce, muito vigorosa e produtiva, facilmente adaptável a diferentes climas e solo. Se o vigor for controlado, oferece vinhos que concertam elegância e robustez, fruta farta e especiarias, num registo profundo e vivo. Prefere climas quentes e secos, temperados por solos arenosos ou argilo-calcários. É tendencialmente uma casta de lote, beneficiando recorrentemente da companhia de outras castas.

Tinto Cão

Por ser quase economicamente inviável, ao oferecer uma produtividade incrivelmente baixa, a sua sobrevivência já esteve em risco. Possui cachos muito pequenos, apresentando-se como uma variedade de maturação tardia. A sua película densa e grossa garante-lhe uma resistência adequada aos ataques de míldio e podridão. A boca evidencia a grandeza da casta, visível no equilíbrio perfeito entre taninos, acidez e açúcar, na suavidade e dureza dos taninos, dando corpo a vinhos florais, densos, sólidos e duradouros. É frequentemente lotada com as castas Touriga Nacional e Aragonez, entre outras. Produz vinhos carregados de cor, com aromas delicados e florais.t

Tinta Barroca

É uma casta pródiga no rendimento, generosa no grau alcoólico, conseguindo combinar produções elevadas com teores de açúcar generosos. Convive mal com os excessos de calor e stress hídrico, passificando com facilidade em sobrematurações súbitas. Regular na produção e resistente a doenças e pragas, dá origem a vinhos bem compostos de cor, macios mas rudes e rústicos, de elevado potencial alcoólico. Raramente é engarrafada em estreme, estando presente na maioria dos lotes durienses. Na África do Sul assumiu um protagonismo desusado, sendo aproveitada regularmente nos vinhos tranquilos e generosos do país austral.t

Brancas

Viosinho

De génese transmontana, a casta Viosinho sobrevive dispersa pelas vinhas velhas brancas. É uma variedade de valorização recente, contudo é uma variedade pouco produtiva, com rendimentos muito baixos, o que ajuda a explicar a popularidade reduzida. Apesar de pouco aromática, oferece um excelente equilíbrio entre açúcar e acidez, proporcionando vinhos estruturados, encorpados e ricos em álcool. Apresenta cachos e bagos pequenos, de maturação precoce, muito sensíveis ao oídio e à podridão, preferindo os climas quentes e soalheiros. Dá origem a vinhos estruturados e potentes, a que, no entanto, falta habitualmente vigor e frescura. Por isso é regularmente lotada com outras castas, capazes de acrescentar a acidez e riqueza aromática que por vezes lhe parecem faltar.

Gouveio

Profícua no Douro, a casta Gouveio encontra-se hoje disseminada por todo o território continental. Durante anos foi catalogada erradamente como Verdelho, condição que conduziu a algum desacerto entre as duas nomenclaturas. É uma casta produtiva e relativamente temporã, medianamente generosa nos rendimentos, sensível ao oídio e às chuvas tardias, com cachos médios e compactos que produzem uvas pequenas de cor verde-amarelada. Por ser uma casta naturalmente rica em ácidos, que proporciona vinhos frescos e vivos, a sua difusão a Sul, sobretudo no Alentejo, tem sido frutuosa e célere. Dá origem a vinhos de acidez firme e boa graduação alcoólica, encorpados, de aromas frescos e citrinos, com notas a pêssego e anis, com bom equilíbrio entre acidez e açúcar. Desfruta de boas condições para apresentar um bom envelhecimento em garrafa.

Côdega Larinho

Casta de vigor e produtividade médios, sendo sensível ao míldio e pouco sensível ao oídio e à podridão cinzenta. O cacho é grande e compacto, com bago de tamanho médio, arredondado, de cor amarelada, com película medianamente espessa, polpa suculenta. É uma casta de maturação média, os mostos possuem um potencial alcoólico médio e uma acidez baixa. O vinho apresenta-se normalmente de cor citrina com aroma bastante complexo, frutado intenso (frutos tropicais) e floral. Na boca mostra algum défice em frescura (pouco ácido), compensado com um excelente perfil aromático e grande persistência. Normalmente, uma correcção ácida melhora o perfil gustativo destes vinhos.

Rabigato

De origem duriense, a casta Rabigato estende-se por todo o Douro Superior. Por erro, no passado foi relacionada com a casta Rabo de Ovelha, variedade com a qual não aparenta qualquer semelhança. Rabo de Ovelha que, de forma igualmente errónea, perfilhou a designação Rabigato na região do Vinho Verde, com a qual não tem qualquer relação. Os vinhos oferecem acidez viva e bem equilibrada, boas graduações alcoólicas, frescura e estrutura, características que a elevaram ao estatuto de casta promissora no Douro. Apresenta cachos médios e bagos pequenos, de cor verde amarelada. Poderá, nas melhores localizações, ser vinificada em estreme, oferecendo notas aromáticas de acácia e flor de laranjeira, sensações vegetais e, tradicionalmente, uma mineralidade atrevida. É a boca, porém, que justifica a sua reputação, com uma acidez mordaz e penetrante, capaz de rejuvenescer os vinhos brancos.

Malvasia Fina

A Malvasia Fina está presente no interior norte de Portugal, é particularmente sensível ao oídio e moderadamente à podridão, míldio e desavinho, proporcionando rendimentos extremamente variáveis e inconsistentes. Os vinhos anunciam, por regra, sintomas melados, no nariz e boca, vagas notas de cera e noz-moscada, aliados a sensações fumadas, mesmo quando o vinho não sofre qualquer estágio em madeira. Os vinhos de Malvasia Fina são tradicionalmente discretos, pouco intensos, razoavelmente frescos e medianamente complexos. É uma casta de lote que, nas regiões mais frescas e quando vindimada cedo, funciona como base de Espumantes.

 

…destas castas, deste solo, deste clima, desta topografia e desta maneira árdua de trabalhar a terra, nascem dos melhores vinhos do Mundo com tradição enraizada em todos os seus processos de viticultura, vinificação, maturação e envelhecimento. A nova geração de “winemakers”, também se soube modernizar, acompanhando as tendências dos gostos internacionais, assim como adaptar-se à revolução e expansão da nova gastronomia, pelo que o Douro oferece vinhos harmonizáveis com as principais tendências culinárias, tendo sempre como âncora na modernidade, a tradição.

Vale a pena perdermo-nos pelo Douro profundo, provar todos os vinhos que se produzem por lá, desde a mais pequena quinta, até à maior empresa exportadora. Com certeza serão surpreendidos pela genuinidade dos lugares, dos vinhos e das gentes, assim como da gastronomia local, sempre em consonância com os seu vinhos. Tudo isto acompanhado de uma beleza natural arrebatadora, que nos embriaga os sentidos e nos transporta para fora de nós.

Boas provas e disfrutem desta região maravilhosa, com tempo, se puderem.

Saudações vínicas.

 

Bibliografia:

IVDP IP
Portugal By Wine
Infovini
Wikivinha
Site Wine
Instituto da Vinha e do Vinho

 

Por José Paulo Teixeira

In revista Bica



Open chat
Podemos ajudar?

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close