Segredos do Dão - WINEBOX4YOU - Touriga Nacional
vinhos online
2368
post-template-default,single,single-post,postid-2368,single-format-standard,theme-bridge,bridge-core-2.2.2,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,columns-4,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-20.9,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.1,vc_responsive
 
vinhos do dão

A principal característica da viticultura portuguesa consiste na enorme variedade de castas das suas regiões vitivinícolas. A região demarcada dos vinhos do Dão não é exceção. O encepamento regional no passado recente concentrava o impressionante número de aproximadamente cinco dezenas de variedades, uma verdadeira dádiva da natureza. Tal variabilidade permitia a adaptação das colheitas às instabilidades climáticas da região e consequentemente às distintas maleitas daí consequentes.

Com a modernização dos processos produtivos das últimas décadas a tendência assentou na utilização de um reduzido número de castas com bastantes resultados a nível produtivo no que concerne à quantidade e qualidade dos vinhos produzidos mas também, por vezes, também com consequências nefastas. Contudo, o Dão, apesar de diminuir consideravelmente o número de castas nas suas vinhas, fez um notável trabalho na resistência à invasão das castas internacionais, algumas com elevadíssima qualidade mas que iriam sem dúvida descaracterizar os nossos vinhos e acabar com a fantástica herança genética que temos.

Atualmente uma das principais premissas dos mercados é não suportarem grande variabilidade de oferta de produto. Há assim que sistematizar e dar primazia às castas piloto de cada região. No caso do Dão as duas principais castas tintas são:

Touriga Nacional

A Touriga Nacional, autóctone do Dão, casta tinta, antes denominada de Tourigo / Preto Mortágua, adotou o seu nome atual da sinonímia do Douro. No futuro próximo será decerto considerada como uma casta internacional pois já se encontra em produção na África do Sul, Austrália, Califórnia, Brasil e claro na nossa vizinha Espanha. Está é sem dúvida uma casta de máximo valor enológico, atingindo o seu pico qualitativo em áreas geográficas quentes dando origem a elevadíssima intensidade cromática e aromática. É assim uma casta que origina vinhos bastante complexos.

A rega gota-a-gota anula a reduzida qualidade no caso de insuficiente disponibilidade hídrica. Os vinhos de Touriga Nacional apresentam qualidade muito elevada e oferecem um aroma a frutos silvestres vermelho escuros/pretos muito maduros e algumas notas florais de perfume doce presentes também nas flores de violeta e na esteva. A tonalidade do vinho enquanto jovem assume-se violácea e muito concentrada (retinta);

Alfrocheiro

O Alfrocheiro é outra casta de muito elevado interesse. É provavelmente autóctone da Península Ibérica. Surge no Dão, região de maior expansão, após a praga da filoxera (a partir do último quartel do séc. XIX). Por análise molecular sabe-se que existe em Espanha com outras denominações. É uma casta sensível ao escaldão. Frequentemente apresenta segunda floração o que origina cachos imaturos na fase final da maturação. Deve-se evitar a sobrematuração devido ao engelhamento do bago o que reduz consideravelmente a produção.

Os vinhos de Alfrocheiro Preto apresentam uma cor granada intensa com reflexos violáceos, um aroma frutado forte. Um sabor delicado com taninos macios e acidez equilibrada;

As duas principais castas brancas do Dão são:

O Encruzado, à semelhança da Touriga Nacional é também ela uma casta autóctone do Dão. Apresenta características morfológicas únicas. Em condições adequadas produz vinhos da melhor categoria, surpreendentemente elegantes e complexos nos aromas com notas vegetais de pimentas verdes, florais de violetas e rosas, frutadas de limão e minerais de pederneira (Sílex pirómaco).

A Malvasia Fina, de origem antiga e desconhecida, assume-se europeia e com enorme tradição. Dá origem a vinhos muito elegantes, finos, com reduzida intensidade e complexidade no aroma e no gosto. Apresentam um bouquet extraordinário com notas de mel e noz-moscada, conseguindo apenas obterem-se em condições ambientais ótimas.

As quatro castas referidas são uma ínfima parte do nosso tesouro genético vitícola providenciado pela Natureza e trabalhado pelo Homem. Se soubermos olhar para o nosso território constatamos o quanto afortunados somos! Ao nosso Dão!

Luís Miguel Oliveira, Geógrafo e Enólogo

In Bica 2016

 

COMPRE VINHOS DO DÃO AQUI



Open chat
Podemos ajudar?

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Mais informação

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close